PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 26ª SUBSEÇÃO DE COMODORO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Novembro de 2022 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 # # #

Artigo | mais artigos

Mulheres de MT em cargos majoritários

Data: 07/06/2022 13:20

Autor: Glaucia Amaral

imgRegistros e marcos são necessários e explicativos. E essa semana temos um marco para política de Mato Grosso que deve ser exaltado, divulgado e gerar reflexões. Pela quinta vez, uma mulher ocupa cargo eletivo majoritário, na história do Estado.  Serys Shlessarenko foi senadora. Iraci França, a primeira governadora. Maria Helena Póvoas, desembargadora presidente do Tribunal de Justiça do Estado, foi a segunda mulher governadora do Estado. A ex-magistrada Selma Arruda foi senadora e agora teremos Margarete Buzetti, ocupando uma cadeira no Senado. Cinco mulheres em apenas em 271 anos de fundação do Estado. Isso deveria nos deixar perplexos.
 
A transformação das relações sociais, econômicas e educacionais que conduzem mulheres e homens à posição de igualdade em deveres e direitos já ocorre há mais de 200 anos, consolidando e reconhecendo a capacidade de trabalho, o poder de intervenção social e a presença dessa população na base da força de trabalho que move o país. Mas, por aqui, quando falamos da ocupação do espaço público, para além do trabalho, e espaços de decisão de poder político, a desigualdade é gritante. 
 
Cinco mulheres em cargos majoritários em todos esses anos de história de Mato Grosso!  Quantificar não causa o choque do absurdo? O natural não seria a igualdade já que todos pagamos tributos? Considerando que as mulheres são pelo menos 50% da população economicamente ativa e contribuintes, temos que reconhecer que há uma massa gigante de cidadãs que trabalha e custeia a máquina pública. Mas não decide. 
 
Por isso, esse momento é histórico e tem que ser marcante, para que não deixemos de visualizar tal abismo.
 
Quando se fala em exercício de poder, a presença feminina ainda é incomum, uma exceção, uma excepcionalidade. 
 
Na política, a participação feminina é minimamente incentivada pela legislação de cotas, em razão de dar um sentido de dignidade social que nenhum Estado Democrático pode perder. Mas ainda estamos deixando a desejar. As candidaturas femininas não ultrapassam o mínimo e as eleitas são minoria, nas casas legislativas.
 
A política é um espelho do machismo que nos conduz, ainda nos limita e deprecia, isso em pleno XXI. Um página que ainda não viramos.
 
Por isso o incentivo à participação associativa, partidária, em conselhos de classe, mas, especialmente, nas eleições que se avizinham é fundamental pra mudança da realidade. 
 
Dizem, que quando você olha o abismo, o abismo olha para você. Então, proponho um exercício a quem estiver até esse ponto do artigo: Imagine se esse fosse um texto para parabenizar um senador, que fosse o quarto homem em cargo majoritário na história de MT. 
 
Se é impensável a ausência masculina da política, a ausência feminina deveria causar igual espanto. 
 
Saudações às que têm coragem!
 
*Glaucia Anne Kelly Rodrigues do Amaral é presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-MT e Procuradora do Estado.
WhatsApp