PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 26ª SUBSEÇÃO DE COMODORO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Setembro de 2021 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 # #

Artigo | mais artigos

Quem são as vítimas da violência contra a mulher?

Data: 30/04/2021 16:00

Autor: Clarissa Lopes Dias Maluf

imgA lei nº 6.791 de 9 de junho de 1980 instituiu a data de 30 de abril como Dia Nacional da Mulher. Mais de quatro décadas depois, a luta pelos direitos das mulheres tem sido pautada pelo direito mais básico e primordial que existe: o direito à vida. Direito esse que reflete sobre toda a sociedade.

O feminicídio é um problema que precisa ser enfrentado pelo Brasil e, sobre isso, não resta dúvidas. Na quinta colocação no ranking mundial, o país viu essa situação se agravar pela pandemia, mostrando que a violência de gênero é sim uma violência doméstica. Assim, é necessário e urgente também ampliarmos o espectro da violência contra a mulher e seus reflexos na sociedade. Quem são as vítimas dessa violência?

Muito além da individualidade, a violência contra a mulher vem dizimando famílias. Em Mato Grosso, somente neste mês de abril, duas crianças assistiram seus pais matarem suas mães. A vida que se perde é irrecuperável também para as vidas que ficam.

De acordo com as estimativas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, cerca de 2 mil crianças perdem suas mães para o feminicídio a cada ano. A dor imensurável de crescer sem a presença materna, por si só, já deveria alarmar a sociedade. Mas nestes casos, à dor, somam-se uma série de consequências para o desenvolvimento da criança, que precisa lidar com o trauma e se descobrir um novo ambiente familiar.

Os desdobramentos da violência contra a mulher vão além. Com reflexos em toda a vida prática da sociedade. No âmbito judiciário, o crime sai da esfera penal para uma discussão na vara de família. Na economia, a violência reflete no sistema previdenciário, que precisa resguardar os direitos destas crianças e adolescentes.

Mas diante das cenas de horror que inundam o país no que diz respeito à violência contra a mulher, num cenário que deixou de ser apenas estrutural, para se transformar em uma verdadeira espiral de caos, os reflexos sociais parecem detalhes, enquanto ainda precisamos combater o mal pela raiz.

Porém, diante de uma luta grande como o combate à violência contra a mulher, precisamos ampliar as ferramentas de enfrentamento e nos debruçar, ainda ao passo de atacar o ato violento em si, reparar os danos por ele causado. É a velha história de trocar o pneu com o carro andando. A urgência não nos permite, sequer, parar para refletir.

Por isso, em briga de marido e mulher, todo mundo deve meter a colher sim. As vítimas do feminicídio não são apenas aquelas que perdem a vida e sim todas as vidas destroçadas por esta perda.

 
*Clarissa Lopes Dias Maluf é advogada, presidente da Comissão do Direito da Mulher da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) e diretora da Caixa de Assistência dos Advogados de Mato Grosso (CAA/MT)